google analytics
http://cienciaesaude.uol.com.br/ultnot/2008/08/19/ult4477u932.jhtm



Marina Almeida
Especial para o UOL Ciência e Saúde


Substância presente em certos tipos de plástico é tóxica


Práticos, resistentes, transparentes e coloridos, baratos e versáteis: os recipientes de plástico conquistaram adeptos por todo o mundo. Seus efeitos para a saúde, entretanto, vêm sendo questionados, pois as substâncias químicas presentes no material, em certas circunstâncias, podem migrar para os alimentos e causar alterações no organismo.

Presente em mamadeiras e outros utensílios de plástico de uso doméstico, o composto bisfenol A foi associado recentemente a problemas hormonais, incluindo obesidade, e com o aumento do risco de câncer, de acordo com estudo do Programa Nacional de Toxicologia dos Estados Unidos. "Não há provas de que o bisfenol A seja cancerígeno na quantidade, pequena, em que temos contato com ele. Mas por que expor o organismo a essas substâncias sem necessidade?", questiona o professor do Instituto de Química da USP (Universidade de São Paulo), João Pedro Simon Farah.

Recentemente, o governo canadense proibiu a comercialização de mamadeiras e chupetas produzidas com plástico que contém bisfenol, uma substância tóxica.


O professor esclarece que não há motivo para alarde. A preocupação, segundo ele, deveria ser dirigida a substâncias que são comprovadamente prejudiciais e com as quais temos contato direto. "Nada se fala sobre os conservantes, por exemplo, nem sobre os agrotóxicos, que vêm de fontes muito mais venenosas", declara.

Farah defende o vidro como uma alternativa que deveria voltar a ser mais explorada por ter qualidades como sua facilidade para ser reciclado e limpo.

Utilização adequada


Pedro Germano, professor da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP afirma que o plástico só é tóxico se for utilizado de maneira inadequada. Ele ressalta, por exemplo, a importância de utilizar, nos fornos microondas, apenas plásticos próprios para esse fim. "A partir de uma certa temperatura, o recipiente de plástico pode ter sua textura alterada. Com isso, os elementos químicos presentes em sua composição podem migrar para os alimentos com mais facilidade", explica.

Recipientes plásticos rompidos por desgaste ou por muitas lavagens com produtos químicos também não devem ser usados, segundo Germano. "A deteriorização da película que cobre esses utensílios facilita a migração de substâncias como o bisfenol dos plásticos para os alimentos", diz.

O professor Germano ressalta ainda a importância da escolha cuidadosa dos utensílios que serão utilizados na cozinha e alerta que o costume de utilizar sacolas plásticas para armazenar produtos na geladeira é totalmente inadequado. "Essas sacolas são feitas de plástico reciclado, que contêm substâncias tóxicas e podem ser transmitidas para os alimentos", explica.

O plástico reciclado também pode causar contaminação por chumbo, metal altamente tóxico. "Todos os programas de reciclagem, até pouco tempo, contaminavam o plástico com chumbo. Os equipamentos que causavam a contaminação não são mais usados, mas não temos garantias de que esse plástico foi reciclado com equipamentos obsoletos ou se foi re-reciclado", conta João Farah. Na dúvida, é melhor evitar.