Categoria: Sem categoria

Ftalatos

Para aqueles que sabem inglês, informação importante! You May Ingest Phthalates With Your Meals In an effort to evaluate your risk of exposure to phthalates from food, researchers evaluated the dietary habits and urinary metabolites of 9,000 participants age 6 and older.4 This news video highlights the results of the study. The researchers were specifically […]

Conteúdo Destaque

Agroecologia é alternativa para cultivo agrícola mais sustentável

Agroecologia é alternativa para cultivo agrícola mais sustentável. Esta é a proposição da Fiocruz , um dos maiores centros de saúde, e doença, país.

ECOLOGIA-Em apenas um ano, mundo despejou 8 milhões de toneladas de plástico nos oceanos.

Um estudo publicado na revista Science revelou que os oceanos recebem, a cada ano, 8 milhões de toneladas de lixo plástico. “Isso equivale a cinco bolsas de compras cheias de sacos plásticos a cada 30 centímetros no litoral dos 192 países analisados”, disse, em entrevista coletiva, Jenna Jambeck, professora de engenharia ambiental da Universidade da Geórgia, que liderou o estudo.

Notícia

Unidades de conservação são parte da solução.

Sobrevoando a Serra do Espinhaço, em Minas Gerais… lá embaixo, o que se vê através das nuvens é um Brasil recortado. A colcha de retalhos vista do alto representa parte dos 80% do Cerrado que já foi alterado, principalmente a partir da década de 1960, com a expansão da fronteira agrícola sobre esse bioma. Os 20% restantes, ainda existem graças ao relevo acidentado em algumas partes e a presença de unidades de conservação, que hoje respondem a pouco menos de 10% do bioma.

Notícia

Povos tradicionais são proibidos de utilizarem recursos naturais por leis de proteção ambiental

Na Ilha do Bananal, a maior ilha fluvial o mundo, situada no Estado do Tocantins (norte brasileiro), e cercada pelos rios Araguaia e Javaés, povos indígenas que vivem em um território reconhecido são proibidos de caçarem, pescarem e retirarem palha de coqueiro para construírem moradia e realizarem rituais. É que parte da área é também regulamentada por lei como Unidade de Conservação, que coíbe qualquer tipo de uso direto da fauna, flora e outros recursos naturais. Diante da incompatibilidade aplicada a esses tradicionais mestres do manejo sustentável, os índios têm sofrido a condição não poderem garantir simples atividades de subsistência para as comunidades.

Conteúdo Destaque

Desmatamento na Amazônia Legal sobe 358% em apenas 1 ano.

O último Boletim do Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), referente a junho de 2014, detectou 843 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal com uma cobertura de nuvens de 30% do território. Isso representou um aumento de 358% em relação a junho de 2013 quando o desmatamento somou 184 quilômetros quadrados e a cobertura de nuvens foi de 12%.

Notícia

Em Viena, abelhas fogem dos campos e migram para centro urbano.

A Catedral, a Ópera e até uma refinaria de petróleo em Viena se transformaram em um lar mais seguro para as abelhas que as zonas rurais, onde o uso de pesticidas e a decrescente diversidade de flores ameaça esses insetos.

Notícia

Encapuzados incendeiam carro com indígena Terena dentro em Miranda (MS).

Quatro homens encapuzados atearam fogo no carro do indígena Paulino Terena, liderança da retomada Pillad Rebuá, no município de Miranda (MS), região do Pantanal, na madrugada desta sexta-feira, 6. Paulino estava dentro do carro, teve algumas lesões e fará exame de corpo de delito hoje, mas passa bem. A tentativa de homicídio foi registrada na Polícia Civil da cidade. O atentado é atribuido a produtores rurais da região, em disputa pela posse de territórios reivindicados como tradicionais pelos Terena. As informações são da liderança indígena.

Localizado no interior do Amapá, “Stonehenge brasileiro” ainda é desconhecido do público.

Pouca gente sabe, mas o Brasil também possui um monumento comparável a Stonehenge, o famoso círculo de pedras do sul da Inglaterra. Localizado em Calçoene, no interior do Amapá, a área tem sido estudada por pesquisadores desde 2005 e, no futuro, deve se transformar em um parque arqueológico aberto para visitação.

Promessa brasileira na ONU sobre direitos indígenas é ‘puro marketing’, dizem as ONGs em Genebra.

Na prática, o Brasil não pede consentimento para abrir as terras indígenas aos projetos de infraestrutura que afetam o modo de vida dos povos da floresta